Furo de gusa

As demandas relativas à vida operativa do furo de gusa são altas. A temperatura, pressão, taxa de fluxo, líquidos corrosivos, freqüência de uso, exposição a uso incorreto e vida útil estimada são fatores que devem ser tidos em conta ao formular um desenho apropriado. A experiência de Danieli Corus na operação de furos de gusa e seu vasto conhecimento de desenhos refratários podem assistir o cliente na seleção de um desenho de furo apto para uma vida útil equivalente à campanha do crisol de alta produtividade.

Em virtude das demandas do furo de gusa, esta área do alto-forno nem sempre completa a totalidade da campanha do crisol sem precisar reparos. Alguns métodos de reparo podem parecer simples, mas requerem repetições cada 6 a 9 meses. Um reparo mais seguro compreende a instalação de refratários de grafito de 500 mm de espessura para formar uma camada de proteção. O centro do furo pode ser realizado com concreto de baixo conteúdo de cimento. A extensão do reparo pode ser estabelecida a priori através de perfurações.

Este método de reparo tem demonstrado ser bem sucedido. Vários altos-fornos puderam estender a campanha cinco ou mais anos depois da instalação destes sistemas de furos de grafite.