Tecnologia de depuração via úmida

As novas fundições de alumínio ou as fundições em expansão realizam o tratamento das emissões de SO2 de suas salas de cadinhos. A alumina tem a capacidade de absorver os óxidos de enxofre da superfície. Porém, essa alumina se introduz nos cadinhos, os óxidos voltam a ser emitidos imediatamente. Por isso, deve ser aplicada uma tecnologia de controle adicional. A técnica escolhida é a de depuração via úmida, onde é utilizada água para absorver o SO2 e um reativo para neutralizar o ácido sulfúrico formado nela.

A redução das emissões de SO2 de cadinhos não é um método novo. Também não é extremamente complexo, já que, em geral, uma fundição emite quantidades relativamente pequenas de SO2 se comparado com outras fontes. Menos de 10% das fundições de alumínio do mundo têm sistemas de controle de SO2 instalados e entre as fundições que o possuem, todos seus sistemas de SO2 baseiam-se no processo de depuração via úmida.

Danieli Corus tem posto-em-marcha duas das maiores depuradoras via úmida do mundo. Como parte da Planta de Redução de St. Lawrence de Alcoa, localizada em Massena, NY, o centro de tratamento de fumaça incluiu duas depuradoras via úmida para a eliminação de SO2. Nesse momento, foi uma das maiores depuradoras via úmida construídas em plantas de alumínio. Utilizam cinza de soda (carbonato de sódio) como reativo e uma solução de sulfato de sódio como efluente líquido. Ambas as depuradoras úmidas são torres de rociado aberto com gotejamento de baixa pressão e estão desenhadas para tratar qualquer sólido em água.

As depuradoras deste tipo têm demonstrado ser muito confiáveis e continuam sendo as mais utilizadas para a eliminação de SO2 na indústria primária de alumínio.